As leis de Kleper são leis físicas que tem como foco principal o movimento dos planetas na órbita do sol, bem como dos satélites nas órbitas dos planetas.

Ela foi criada por Johannes Kepler, um astrônomo nascido na Alemanha no ano de 1571 a falecido em seu país de origem no ano de 1630.

E embora seja pouca popularmente conhecida, as leis de Kleper tiveram -- e ainda têm -- uma enorme importância principalmente para os estudos astronômicos.


Como foram criadas as Leis de Kleper?

Após um amplo período de pesquisas e diversos dados astronômicos coletados pelo seu Tycho Brahe, Kepler foi então capaz de deduzir a existência de três leis que decifram o movimento dos planetas e dos satélites naturais.

Hoje essa lei se aplica também aos satélites artificiais que rondam a órbita terrestre.

As três Leis de Kepler

1ª Lei de Kepler – Conhecida como Lei das órbitas

A primeira lei de Kepler descreve uma volta orbital elíptica (oval) dos planetas ao redor do astro-rei, o sol.

No caso dos planetas completarem seu trajeto ao redor do Sol, o ponto onde se encontram mais próximos do astro é conhecido como periélio, e o ponto onde os planetas se tornam mais afastados é chamado de afélio.

 

2ª Lei de Kepler – Conhecida como a Lei das Áreas

Essa lei confirma que a linha que liga o centro do astro com o centro dos planetas apresentaq áreas iguais com intervalos de períodos iguais, relacionando áreas com períodos.

Nessa teoria, o que é possível compreender: a taxa de variação das áreas mediante o tempo torna-se constante para os planetas.

E isto só poderá ser possível caso os movimentos de translação dos planetas tiverem velocidades variáveis, sendo que devem ser maiores nas áreas do periélio, e menores nas áreas do afélio.

Isto quer dizer que:

A1 (área)/Δ(tempo) = A2/ Δ(tempo) 

3ª Lei de Kepler – Lei dos Períodos

A terceira lei de Kepler explica que o período dos planetas ao quadrado (T²) é proporcional (igual) ao cubo das distâncias (A³). Com isso o resultado dessa equação se torna uma constante, simbolizada como K.

Desta forma, temos a seguinte equação:

 

T²/A³ = K

T² = K.A³

 

Com a terceira Lei de Kepler, concluiu-se que, quanto mais distancia um planeta está do astro, maior também será a distância de sua trajetória em volta do sol, já que sua órbita em volta da estrela tem um maior diâmetro.

E essa terceira Lei de Kepler também abrange os valores translacionais dos satélites artificiais e da lua em volta da órbita do planeta Terra.